Encruzilhada - Lúcio Manfredi


E aí, conspiradores, tudo certo?
Antes de qualquer coisa: você passou no canal do Zona hoje? Não? Então faz o seguinte, clica aqui, deixa ali na aba, aberto, pra quando você terminar de ler essa resenha, você poder assistir o vídeo novo, certo?
Agora vamos ao que interessa:
Hoje trago pra vocês a resenha de Encruzilhada, do autor Lúcio Manfredi, lançado pela nossa parceira, Editora Draco.


Quando se está perdido dentro de si mesmo, como encontrar a saída?

Max é apenas um matador profissional em vias de se aposentar. Mas ao recusar o que deveria ser seu último trabalho, acaba se transformando em alvo. Fugindo de seus perseguidores, refugia-se numa casa aparentemente abandonada, onde se depara com acontecimentos misteriosos e estranhos fenômenos.
Portas que levam a cômodos que levam a novas portas e cômodos que não parecem interligados. Talvez a casa seja uma encruzilhada entre diferentes planos de realidade. Ou talvez tudo não passe de uma alucinação e Max tenha simplesmente enlouquecido. Mas alucinações não andam armadas e ele precisa lutar por sua própria vida enquanto tenta desvendar o mistério da casa.

Encruzilhada é um romance de suspense de Lúcio Manfredi, autor roteirista da TV Globo. Em uma mistura de ficção científica e horror, de mecânica quântica com umbanda, a trama se desenrola entre reflexões filosóficas e a busca da identidade. Quando devemos percorrer o labirinto de nossas próprias mentes, só resta o temor de ficarmos presos para sempre fora da realidade.

Sabendo da sinopse, vamos começar:

Personagens:

No livro, Lúcio nas dá como personagem principal Max, que em um momento é uma criança, outro um jovem e em um terceiro um adulto. Max, na maior parte da história é um sujeito confuso, mais pela situação que se encontra do que "não bater bem da cabeça" (ou seria a segunda opção mesmo?). Além de Max, nos é falado algumas poucas coisas sobre Rosa, que em diversas situações está com Max, às vezes o acompanhando nas fases de sua vida. Às vezes se transmutando em um ser que Max sempre acaba ficando horrorizado, Carangola, que é outro que se transmuta a todo momento e Tatá, que nunca aparece, mas é essencial à história.



Max é um personagem bem construído, mesmo que as passagens do livro nos deixem um pouco confusos às vezes, mas por ele se encontrar em uma situação totalmente desconhecida, acredito que ele tenha se mantido bem equilibrado. 
Tenho que dar um destaque especial à João Caveira: o personagem inanimado mais cheio de personalidade que já vi em um livro!

Nota: 


Ambientação:

Na história, de certa forma, somos restringidos à casas, especialmente a que Max se encontra. Quando passamos para as cenas fora de casa, que são bem poucas, elas se passam nas ruas da cidade do Rio de Janeiro, mas nada é muito especificado, às vezes é dado nome de rua, mas o foco principal é a ação que está acontecendo no local.



O cenário principal, que é a casa onde Max está preso, nos é descrita em partes, de acordo com a necessidade da história, o que, na minha opinião, foi muito apropriado à história.


Nota: 


Enredo:

Aí que entra a confusão. Sim, confusão. Vou tentar explicar. Como tinha dito sobre o personagem Max, nos é descrito três fases da vida dele. A história gira em torno disso, de certos questionamentos que ele tem em relação ao que ele tá passando no momento. Hora ele é um matador, hora ele é um cara que usou uma droga muito forte e outra ele é uma criança travessa. A transição ocorre de maneira muito rápida, muitas vezes deixando o leitor sem saber o que aconteceu. Talvez essa mescla toda não tenha sido tão dinâmica pra livro, que por ser curto, acabou deixando algumas coisas sem explicação.


Nota: 


Minha opinião:



Foi um pouco difícil eu conseguir engrenar na história, por causa dessa troca de fases, se é que posso chamar assim. O livro tem um ritmo frenético, parece que você tá vivendo aquilo com o personagem, a confusão que o personagem sente, você compartilha. Mesmo demorando a engatar, chegou um determinado capítulo que foi o ponto alto pra não me deixar largar o livro, querendo saber o que vinha depois. 


Nota final: 



Compre Encruzilhada aqui



Espero que tenham curtido essa resenha e curtido conhecer esse título. Deixem aí nos comentários se você já leu esse livro ou se já leu algum parecido.


Me encontre nas redes sociais


Compartilhar no Google Plus

Juliara Vasconcelos

Geek por hábito, nerd porque me chamam. Gosta de jogar, mas é noob, adora assistir filmes mas odeia filmes de dramalhão e tem medo dos de terror. Lê fantasia, ficção científica e terror, que é sua maior divergência. Não tem nenhuma saga preferida, porque ainda não leu Senhor do Anéis. (Isso mudará em breve)

    Comentários

6 pessoas já comentaram:

  1. Preciso parar de ler resenhas de livros, sério! principalmente nos blogs do grupo geeks porque quero comprar todos
    comofas?
    Follow Cíntia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não pare! Hahahaha
      Mas eu te entendo perfeitamente, acabo passando por isso muitas vezes!
      Obrigada pela visita!

      Excluir
  2. Esse livro me chamou muita atenção, o início me lembrou "Galveston", mas a casa muda tudo! Fiquei muito curiosa!
    Amei sua resenha,
    Beijão :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gavelston eu ainda não conheço, mas vou dar uma procurada.
      Fico feliz que tenha gostado :)
      Obrigada pela visita!

      Excluir
  3. Parece ser um livro bem louco, mas não sei se faz meu gênero...
    Ainda assim é uma boa resenha!
    Bjs

    http://achadosdamila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra quem não costuma ler policial, investigativo, esses gêneros, é bem difícil de se adaptar à ele.
      Muito obrigada pela visita!

      Excluir

Obrigada por ler e comentar!
Se comentar em anônimo, deixe seu nome!
Comentários ao estilo spam não serão aceitos, então só comente se realmente leu o post! Obrigada pela compreensão ♥