Fabula Nova Crystallis - Fracasso ou triunfo?



Longos dias e belas noites aventureiros! Venho hoje aqui expressar mais uma opinião, dessa vez sobre o mega projeto anunciado pela Square Enix e que particularmente me deixou muito empolgado à época, mas hoje em dia eu lembro com um pouco de tristeza pois quase nada acabou sendo concretizado, ainda que o projeto tenha de fato saído do papel. Sim, falo do sensacional Fabula Nova Crystallis, que à época de seu anúncio em 2006 causou uma enorme compras de passagens para o hype train (incluindo este que vos fala) e no fim das contas não se mostrou aquilo que foi prometido, mas saiu do papel e fez um certo sucesso.

O início

Os nobres leitores que jogaram algum dos Final Fantasy antigos (até o VI para ser mais exato) devem se lembrar que praticamente em todos os enredos cristais eram parte importante da história (como os cristais de jobs no FFV ou os de Espers no FFVI). A Square então pensando no fator nostálgico e em quanto a série havia se distanciado das plots centradas em cristais, resolveu lançar um projeto que resgatasse essa atmosfera dos Final Fantasy antigos (e não, Bravely Default não faz parte desse projeto), assim nascendo o Fabula Nova Crystallis.


O nome vem do latim, e traduzido pela wikipedia significa Novas Histórias do Cristal, e inicialmente consistia de três jogos partilhando de um mesmo mundo, em períodos históricos diferentes porém com um mesmo elemento em comum: cristais. Os três jogos anunciados foram Final Fantasy XIII, Final Fantasy Versus XIII (ambos exclusivos para PS3) e Final Fantasy Agito XIII (exclusivo para plataformas mobile). Para deixar ainda mais interessante, cada jogo tinha seu próprio sistema, sendo algo parecido com os jogos derivados do Final Fantasy VII; FF XIII teria um sistema de batalhas por turno, o Versus XIII seria um jogo de ação com elementos de RPG (tipo o Dirge of Cerberus) e o Agito XIII seria um action RPG tipo Crisis Core. Legal né? Bem, em teoria era, mas na prática...


Produção conturbada

A escolha de título pode não ter sido das melhores, pois dois dos três jogos acabariam por sair, porém houveram muitas mudanças e com essas mudanças houveram atrasos. Para começar, Agito XIII migrou de plataforma, passando a ser desenvolvido para o PSP, e algum tempo depois teve seu título mudado para Final Fantasy Type-0, que apesar de manter o foco na mitologia dos cristais a ambientação passou a ser num mundo diferente do que tinha sido anunciado anteriormente. O FF XIII deixou de ser exclusivo de PS3 e foi anunciado também para X360. Do que estava sendo mais "hypado", o Versus XIII, não se escutava falar um pio e quando perguntados, os desenvolvedores se limitavam a responder que o jogo ainda estava em desenvolvimento, mas a curiosidade crescia cada vez mais e os jogadores  clamavam sobre como o XIII e o Versus XIII seriam integrados, uma vez que o Type-0 fugiu completamente da proposta de "mesmo mundo", ainda que a mitologia fosse a mesma.



Enfim lançados mas...

Em 17 de dezembro de 2009, Final Fantasy XIII chegou às prateleiras nipônicas, sendo um sucesso absoluto de vendas. Sim, de vendas. Como o hype train estava lotado era de imaginar que muitas gente se aproveitou da pré-venda para ter o jogo no dia do lançamento. Em janeiro de 2010 chegou no ocidente e as vendas dispararam ainda mais, porém ficou apenas no lançamento pois a recepção do público foi totalmente negativa. Apesar de visualmente bonito, o jogo peca pela falta de desenvolvimento do enredo e principalmente pelo gameplay. O sistema de evolução não é dos melhores, mas achei menos confuso que o do FF X; entretanto as batalhas chegam a ser meio confusas e um erro que segue imperdoável até hoje é o fato de que 90% do jogo ser linear, não tendo aqueles mapas grandiosos dos FF de outrora. O jogo ainda contou com duas continuações: Final Fantasy XIII-2 e Lightning Returns: Final Fantasy XIII, que foram ainda mais mal recebidos e fizeram boa parte dos fãs de longa data desistirem da série (eu incluso, porque o jeito que o XIII foi apresentado me fez não querer as continuações de jeito nenhum).


Em 2011 chegou Final Fantasy Type-0, que foi um pouco mais bem recebido que o XIII mas ainda assim não foi o sucesso que se esperava. Type-0 ganhou um remaster em HD este ano que vendeu relativamente bem por conta de uma demo que vocês sabem muito bem (quem não sabe vai ficar querendo saber eu explicarei no último tópico). Foi lançado para plataformas mobile iOS e Android o Final Fantasy Agito, que nada mais é que o Type-0 para as plataformas que originalmente iriam recebê-lo.


Fracasso? Felizmente não!

Sim meus amigos, apesar de se distanciar um pouco da idéia original e da má recepção dos jogos principais, o Fabula Nova Crystallis não foi um fiasco como parecia que ia ser. E grande parte disso se deve à uma pequena apresentação na E3 2013 durante a conferência da Sony. Para quem não lembra, mais cedo naquele mesmo ano a Sony fez um evento próprio onde apresentou o seu atual console, o PS4, e nela várias empresas mostraram jogos que rodariam na nova plataforma. A Square esteve no evento mostrando novamente sua tech-demo Agni's Philosophy, e o executivo que lá estava disse que uma nova informação sobre Final Fantasy viria na E3. É claro que eu e uma cambada de fãs da série xingamos muito no twitter o tal executivo, mas aguardamos até junho para o tal anúncio. Durante a conferência da Sony viu-se os personagens de Final Fantasy Versus XIII numa ambientação atualizada, só isso já inflamou a platéia que estava desde 2006 praticamente sem nenhuma informação, e naquele momento nossas esperanças reacendiam pois finalmente teríamos em mãos o tão aguardado Versus XIII. Eis que no final do trailer o logo do Versus XIII se transforma em... FINAL FANTASY XV! O primeiro título inédito da franquia totalmente para a nova geração. Será um outro mundo, mas ainda com os elementos de mitologia de cristal. Uma demo chamada Episode Duscae foi lançada junto com quem comprou o Type-0 HD (e cá entre nós, a maioria comprou pela demo) e recentemente a Square anunciou que o jogo será lançado em 2016. E cá estamos nós outra vez lotando o hype train.


Gostaram essa pequena análise? Desde já me desculpo se falei alguma besteira, me baseei em conhecimentos antigos e pesquisas recentes. Críticas, elogios e sugestões? Deixe um comentário! Muito obrigado pela atenção e grande abraço!

Me encontre nas redes sociais
Compartilhar no Google Plus

Rafael Henrique Ferreira

Game Designer aprendiz, baixista mediano e mago implacável. Amante de RPGs mas tem Metal Gear como série favorita. Busca construir uma máquina para parar o tempo e zerar todos os jogos que comprou na Steam e na PSN.

    Comentários

4 pessoas já comentaram:

  1. Muito bom o texto. Eu comprei o type-0 hd pensando realmente no jogo pois me falaram muito bem dele e eu ainda não havia jogado mas a demo do final fantasy xv...realmente ajudou a valer a penas os 120 reais que paguei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estou louco pra jogar a demo, mas ainda to pensando se compro assim que me recuperar meu bolso que foi atingido com a pré venda de Metal Gear Solid V: The Phantom Pain huahuahuahuahuhuahuahua. Obrigado pelo feedback! Grande abraço.

      Excluir
  2. Nunca joguei nada dessa franquia, acredita? Apesar de ter vontade, sempre fui deixando para depois.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de setembro. Serão dois vencedores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fui deixando pra jogar também até que uma alma caridosa me emprestou o Final Fantasy IX e foi paixão à primeira vista. Se ainda tem vontade eu recomendo começar pelo Final Fantasy IV, que ainda tem o sistema de classes definidas, é bom pra ir acompanhando a evolução da franquia. Obrigado pelo feedback! Grande abraço.

      Excluir

Obrigada por ler e comentar!
Se comentar em anônimo, deixe seu nome!
Comentários ao estilo spam não serão aceitos, então só comente se realmente leu o post! Obrigada pela compreensão ♥