Codex Gigas: Bíblia do tinhoso ou conversa fiada?


Saudações reptilianas, jovens gafanhotos!
Cá estou novamente, depois de sofrer com professores sanguinários e trabalhos torturantes na faculdade. Final de período é tenso.
Mas enfim, o que realmente importa é que estou de volta e com um assunto que vem bem calhar com um post antigo feito pela Juliara Vasconcelos, onde ela falou sobre o livro "O Demonologista", de Andrew Piper, publicado no Brasil pela Darkside Books. Dá uma olhadinha aqui pra entender.
O post de hoje não tem muito a ver com conspirações ou teorias bizarras, mas sim com um artefato bem polêmico da história religiosa humana. Hoje falarei sobre o "Codex Gigas", também injustamente conhecido como Bíblia do Capiroto.
Prepara a água benta, chama os irmãos Winchester e vem comigo.



O códice
O que é um códice, meu jovem? Você saberia me responder? Provavelmente não.
O conceito de códice beira a Idade Antiga até a Idade Média, sendo manuscritos entalhados em tábuas de madeira unidas por cordões. Na Idade Média essa forma foi substituída pelo papiro, com folhas encadernadas, tomando lugar também do pergaminho.

Livro Gigante
Essa é a tradução livre de Codex Gigas, do latim. E pode ter certeza que ele é bem grande, jovem gafanhoto. Segundo a Biblioteca Nacional da Suécia, onde está guardado, as páginas possuem cerca de um metro de comprimento e cinquenta centímetros de largura, pesando pouco mais de 70 kg.
Isso mesmo, meu caro, o peso de um homem. Imagina o tamanho do trambolho.
O livro tem pouco mais de 620 páginas, onde umas 300 foram feitas com pele de bezerro. A capa é bem grossa, por sinal, tendo sua base na madeira e então revestida por couro.
Seu conteúdo é bem extenso. Há histórias judaicas, bíblicas, alfabetos, textos com medicina antiga e calendários. Teorias afirmam que até rituais de exorcismo foram escritos no Codex.
Ele é, definitivamente, o maior manuscrito já feito pelo Homem.

Direto do túnel do tempo
Não, não vou falar sobre viagem no tempo. Isso foi apenas uma piada para dizer que falarei das origens e tal. Se você é novo aqui, esse assunto eu tratei aqui e mencionei aqui. Dá uma olhadinha depois e deixe seu comentário, vai fazer seu amiguinho aqui bem feliz.
Enfim.
É dito que apenas um monge beneditino desconhecido de Podlažice tenha escrito o Codex no final do século XIII, na antiga Boêmia e hoje República Checa. O porquê dele ter feito isso ainda é um mistério, mas com certeza foi um trabalho muito bem feito. Há gravuras complexas, ausências de erros ortográficos e um curioso capricho exagerado na confecção de diversos textos.


Devido ao misticismo que o envolve desde que foi escrito, o livro passou em mais mãos do que corredor de quartel. O ponto maior de sua história foi ao fim da Guerra dos Trinta Anos, quando Rodolfo II, então rei da Boêmia, Hungria e Imperador do Sacro Império Romano Germânico, foi saqueado pelo exército sueco. Toda sua biblioteca foi surrupiada pelos trombadinhas nórdicos e, com ela, o Codex Giga. Por esse motivo o livro ainda pode ser encontrado na Biblioteca Nacional da Suécia, mas apenas com acesso pela Internet. Uma medida para preservar ao máximo essa preciosidade literária. Ao final do post colocarei um link direto para a site da biblioteca para quem tiver curiosidade de ver.

Na mão do sete-peles
Agora vamos ao que interessa. Você já percebeu a grandiosidade da obra, não é, jovem gafanhoto? Um livro desse tamanho, com uma riqueza e complexidade imensuráveis. Mas e se eu te dissesse que ele foi escrito em apenas uma noite?
Impossível? Provavelmente.
Segundo a lenda, esse monge que ninguém conhece teria escrito o livro como meio de punição para aliviar sua pele depois de uma acusação grave de quebra de votos. Se você acha que a Igreja atual é carrasca, é porque não conhece muita coisa de sua história.
A punição inicial seria morte por esmagamento entre duas paredes, a famosa "murada". Para tentar fugir desse triste fim, o monge então teria sugerido fazer uma cópia da Bíblia em apenas uma noite. Uma tarefa, digamos, um tanto difícil.
Vendo que não conseguiria terminá-lo a tempo, o monge teria feito um pacto faustiano com o arcanjo caído da mitologia cristã. Em troca da sua alma, todo livro seria completo naquele curto espaço de tempo e haveria uma homenagem a seu "senhor" em uma das páginas.



Algumas características do livro realmente apontam para confecção em um curto período de tempo, como a uniformidade na escrita, manutenção da mesma tinta ao longo de todas as páginas e ausência de alteração ou desgaste. Outro ponto é que bem na página 290 há a gravura de um tinhoso ocupando quase a folha inteira.
Felizmente, hoje essa lenda caiu por terra. Imagina só que brabo ter que aturar o Crowley pelo resto da eternidade. Nem Dean Winchester aguenta.



Mas voltando ao assunto, muitos historiadores afirmam que esse tipo de castigo era comum em certos mosteiros. Entretanto, houve uma certa confusão quanto ao termo Inclusus, que significa recluso e não emparedado (quase um Big Brother Medieval). No final do livro há, inclusive, uma dedicatória a "Hermanus, o recluso", uma tradução livre de hermanus inclusus, o que é fortalecido por um estudo feito pelo canal de TV via satélite National Geographic. Segundo eles, sem contar com as gravuras, o livro teria demorado cerca de 5 anos para ser finalizado.
Como prometido, aqui está o livro: Biblioteca Nacional de Estocolmo
-------------------------------------------------------------------------------------
Chegamos ao final de mais um artigo, galerinha. Muito obrigado pelas visitas e comentários em tudo que trazemos para vocês com todo carinho.
Podem ter certeza também que estarei sempre aqui agora, essas férias maravilhosas me deixarão com todo tempo do mundo para agradar vocês com temas bizarros e teorias loucas.
Não esqueçam do feedback, isso deixa seu amiguinho aqui muito feliz.
Grande abraço e até a próxima!


Me encontre nas redes sociais
Compartilhar no Google Plus

Mayke Medeiros

Escritor em tempo integral e programador nas horas vagas. Metido a crítico de cinema, científico, literário e especialista em trocadilhos sem sentido.

    Comentários

4 pessoas já comentaram:

  1. Gente, como eu não conhecia isso?
    IMAGINA o tamanho e a sensação de virar essas páginas.. não não quero imaginar, pois lembro do que elas foram feitas... rs

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser uma sensação única, com certeza. Eu adoraria poder passar um dia inteiro tendo esse livro todo ao meu dispor hahaha

      Abraços!

      Excluir
  2. Mayke!
    Ri muito aqui, mesmo, de verdade.
    "Chama os irmãos Winchesters..." - é meu sonho fazer isso um dia, hahaha.
    Brincadeiras a parte, gostei muito do texto e esse livro é realmente um mistério. Imagina escrevê-lo todo em uma noite? Só sendo parente do Flash pra fazer isso e olhe lá, já que não tem erros de ortografia e é bem caprichado, com muitos detalhes e figuras muito interessantes.
    Mas, se fosse possível tudo isso, onde ele teria arrumado a pele de carneiro e a capa assim, com tanta facilidade? Só assaltando algum lugar mesmo ou matando muitos desses bichinhos... E olhe lá ainda.
    Ótimo texto, de verdade! =)
    Xau!
    Blog Saphy | Facebook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Divana!
      Imagino o inferno (o trocadilho foi inevitável) que deveria ser escrever esse livro em uma noite só.

      Grande abraço! :D

      Excluir

Obrigada por ler e comentar!
Se comentar em anônimo, deixe seu nome!
Comentários ao estilo spam não serão aceitos, então só comente se realmente leu o post! Obrigada pela compreensão ♥